Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2018 05 - MAIO Alagoas avança na igualdade de gêneros no sistema prisional
28/05/2018 - 08h44m

Alagoas avança na igualdade de gêneros no sistema prisional

Estado é um dos únicos do Brasil a cumprir a política de atenção ao público LGBT

Alagoas avança na igualdade de gêneros no sistema prisional

Estado assegura cumprimento da política de igualdade de gêneros. (Foto: Jorge Santos).

Texto de Maysa Cavalcante

De acordo com levantamento realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 2017, o Brasil possuía a 3ª maior população carcerária do mundo. Em Alagoas, o número de reeducandos recolhidos em unidades prisionais ultrapassa a marca de 4 mil pessoas. Dentro desse público encontra-se a população composta por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros (LGBT).

Visando assegurar os direitos humanos do segmento LGBT no sistema prisional, as Secretarias da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) e da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas (Semudh), elaboraram uma portaria conjunta, publicada no Diário Oficial, no dia 9 de agosto de 2017. O documento foi produzido levando em consideração a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Plano Estadual de Direitos LGBT.

Gestores da Seris e da Semudh se reuniram nesta semana para avaliar os avanços realizados no cumprimento da portaria. De acordo com a superintendente de Direitos Humanos e Igualdade Racial da Semudh, Rita Mendonça, Alagoas é um dos poucos estados do país que tem uma política de atenção voltada para o segmento LGBT, estabelecendo parâmetros para o acolhimento desse público.

"De um modo geral, a sociedade ainda não respeita a dignidade da população LGBT. Queremos mudar esse quadro e, para isso, estamos monitorando o cumprimento da portaria no sistema prisional. Constatamos que ela está sendo atendida em vários pontos, mas queremos que essa política seja intensificada para que ocorra o cumprimento integral. Notamos que há o respeito sobre a identidade de gênero, inclusive no que diz respeito à  roupa íntima", disse.

Portaria 

No documento, veda-se qualquer tipo de discriminação fundada na orientação de gênero e cometida por parte de funcionários da administração penitenciária ou particulares. Além disso, garante o direito do público LGBT de ser tratado pelo nome social, de acordo com o seu gênero, e que deverá constar no prontuário e todos os demais documentos oficiais gerados pela Seris.

A iniciativa também permite a implantação de um lugar específico para abrigar travestis e transexuais no cárcere, além de estabelecer a realização de campanhas educativas sobre a diversidade, orientação sexual e identidade de gênero que devem ser executadas através da Escola Penitenciária.

"O preconceito decorre da falta de conhecimento. Medidas como a criação da portaria geram um impacto positivo tanto para os reeducandos que são beneficiados com ação, quanto para os servidores prisionais e a própria sociedade, que passam a ter um olhar diferenciado para a causa LGBT", conclui Mendonça.

Ações do documento

banner_lai+sic_LATERAL-A-PLONE3.jpg
banner_lai+sic_LATERAL-B-PLONE3.jpg

banner_GERAL_LATERAL_sic-plone3.jpg

banner e-ouv
banner-eouv-plone

banner-transparencia.jpg

banner_formulario

portal_do_servidor